banner
publicidade
publicidade

BOA LEITURA:TIM MAIA VIVE

Tim Maia foi o maior cantor brasileiro dos últimos 40 anos. Um gênio que fundiu a música negra americana com a brasileira e tirou disso clássicos. Quem viu um show de Tim não esquece (aqueles em que ele compareceu, claro): a banda Vitória Régia, as saída estratégicas para o camarim, a capacidade de fazer todo o mundo dançar por horas, as broncas no técnico de som. Eu vi. Eu não esqueço.

Ele tinha um sonho: fazer a América. Foi para os Estados Unidos em 1959, aos 16 anos. Segundo Nelson Motta na biografia de Tim que escreveu – e é sempre bom ter o pé atrás com os chutes de Nelson Motta –, ele teria ido atrás de uma senhora Cardoso, da Tijuca, seu bairro, que estaria vivendo em Tarrytown, no estado de Nova York. (O próprio Tim Maia disse que ele foi acompanhar um grupo de padres. Enfim.) Voltou quatro anos depois, deportado depois que o pegaram vendendo maconha.

Tim trouxa na bagagem de volta a soul music que ouviu como aprendiz e incorporou. Acabou influenciando virtualmente todos os seus contemporâneos, de Roberto Carlos aos Mutantes, passando por Elis Regina, Caetano Veloso, Jorge Ben etc etc. Era um artista que sabia exatamente o que queria, perseguiu esse som e construiu uma obra sólida. Poderia ser popular nos Estados Unidos? Não que não tenha tentado. Gravou muitas músicas em inglês (e um disco inteiro). Tudo indica que, se tivesse se aventurado pelo mercado americano, iria apanhar. Uma coisa é fazer funk inspirado no Earth, Wind & Fire no Brasil. Outra, bem diferente, é competir com o Earth, Wind & Fire na terra do Earth, Wind & Fire.

No mês passado, Tim Maia conseguiu o que sonhava. O selo de David Byrne lançou uma coletânea chamada Nobody Can Live Forever, com 15 músicas. Ele saiu no New York Times. O ex-correspondente no Brasil do Times, Larry Rohter, escreveu uma matéria elogiosa sobre o disco e sobre Tim, com alguns exageros com relação à sua militância em prol dos direitos dos negros (sua preocupação com isso nunca passou da página 2 do manual black power). Claro que Nelson Motta é citado dizendo que Tim era o “Big Bang que mudou a cena na virada dos anos 70” e blábláblá.
Ele faria 70 anos em 2012. O estilo de vida autodestrutivo, embalado em maconha, uísque e cocaína, não impediu que produzisse compulsivamente. Os abusos o levaram a uma morte precoce, aos 56 anos, de enfarto. Sentiu-se mal durante um show e morreu a caminho do hospital.

Tim fez coisas incríveis. Os dois LPs da fase em que entrou para a seita picareta Racional, de 1975 e 1976, poderiam competir, ombro a ombro, com grandes discos de black music americanos do mesmo período. É tão poderoso que você não precisa entender do que ele está falando (meus dois filhos, quando tinham 10 e 6 anos, adoravam cantar versos como “uh, uh, uh, que beleza” e “Manoel, o maior homem do mundo, homem sábio e profundo”. Manoel era o fundador da Igreja Racional). Seus hits da discoteca levantam os mortos.

Provavelmente, o novo CD americano de Tim Maia não vá dar em muita coisa. É uma gravadora pequena, sem dinheiro, e os grandes hits não estão em inglês.

Eles não precisam de Tim Maia. Mas nós precisamos. Do grande, enorme, genial, louco e brasileiro Tim Maia.


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21