banner
publicidade
publicidade

CONTRATO DA CBF COM A NIKE RENDEU CERCA DE R$ 94 MILHÕES EM PROPINA

Segundo a investigação dos EUA, em 1996, José Hawilla e um representante do alto escalão da CBF receberiam cerca de R$ 125 milhões, cada, como propina pela assinatura do contrato entre a entidade e uma empresa de material esportivo americana. No entanto, ‘apenas’ 75% do valor foi efetivamente pago, o que daria R$ 47 milhões para cada. Naquele ano, a CBF era comanda por Ricardo Teixeira e a Seleção Brasileira passou a ter a Nike como fornecedora.
Em nota, a CBF afirmou que os contratos assinados em outras gestões serão reavaliados. O presidente Marco Polo Del Nero saiu em defesa de José Maria Marin, afastado do cargo de vice-presidente da entidade, afirmando que os contratos da Copa do Brasil investigados teriam sido assinados antes da gestão do ex-presidente. No entanto, no processo, o FBI aponta que o acordo teria sido realizado em agosto de 2012, quando Marin já respondia pela CBF.
A maioria dos sete cartolas da Fifa presos ontem em Zurique, na Suíça, contestou a extradição imediata para os Estados Unidos, segundo as autoridades suíças. De acordo com os investigadores, o país agora terá 40 dias para formalizar um pedido de extradição para que o processo de transferência dos acusados seja acelerado.
Apenas um dos sete dirigentes presos teria concordado com a extradição imediata. Ele não teve o nome divulgado. Além dos esquemas de propinas nas competições organizadas por Concacaf, Conmebol e CBF, o FBI também investiga a escolha da África do Sul como sede da Copa de 2010 e as eleições da Fifa de 2011.


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21