banner
publicidade
publicidade

Durante audiência pública, policiais civis reivindicam valorização da categoria ao Governo do Estado

Durante audiência pública, policiais civis reivindicam valorização da categoria ao Governo do Estado

Na manhã desta terça-feira(10), escrivães, investigadores e peritos técnicos da Polícia Civil baiana realizaram audiência pública sobre “ Valorização dos Policiais Civis Baianos” , na Assembleia Legislativa da Bahia, na sala da Comissão de Segurança Pública, presidida pelo deputado estadual Marcelino Galo (PT-BA). A audiência contou com a participação de representantes da Secretaria de Administração, Secretaria de Planejamento, Segurança Pública e Casa Civil.

O Presidente do Sindicato dos Peritos Técnicos, Marcel Egrácio, ressaltou que, desde 2009,  a perícia técnica não consegue realizar o trabalho plenamente dentro do (DHPT). “ A briga do perito-técnico não é por salário, mas pela possibilidade de poder realizar seu trabalho. Recentemente, um médico legista liberou um corpo sem fazer a identificação e acabou trocando os corpos. Os profissionais não estão conseguindo exercer suas atividades !”, criticou

Segundo o investigador e Presidente do SINDIPOL, Ary Aves, a Polícia Civil baiana gira em torno do delegado. De acordo com Alves, é necessário uma reavaliação sobre a função do investigador porque a estrutura atual mantém a “casta” dos peritos criminais e dos delegados. “ Os investigadores e escrivães são carreiras de nível superior do mesmo jeito que os peritos e delegados. Mas não estamos sendo valorizados pela gestão estadual que não cumpre a determinação da Lei Orgância!”, enfatizou.

O investigador Denilson Neves, do Coletivo Sankofa,  enfatizou que a polícia não pode se tornar “feudos” dos coronéis e delegados. Para ele, deve ser feita uma disputa do ponto de vista sociológico e político. “ A Polícia Civil da Bahia entrou em uma seara de luta e não vai retroceder. Existe uma política de Estado na qual o quadro de abandono se repete em todos os Estados brasileiros. Está claro que existe uma secundarização do papel exercido pelo policial civil”, enfatizou Denilson.

Para o representante dos escrivães da Polícia Civil, Luiz Carlos, o objetivo principal da categoria é pensar em um novo modelo de  Segurança Pública e o serviço prestado deve ser eficiente e de respeito ao cidadão. O escrivão destacou que a categoria não está lutando contra os delegados e peritos, mas reivindica o enquadramento na tabela salarial de nível superior, conforme consta na Lei Orgânica nº 11370\09

“ Não estamos pedindo reajuste salarial ao Governo do Estado. Estamos reivindicando o cumprimento da Lei Orgânica na qual já estamos enquadrados como carreiras de nível superior. Entretanto, continuamos recebendo o salário equivalente ao nível médio!”, salientou Luiz Carlos.

Contatos jaqueline Barreto (71)8788-7261\91337802


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21