banner
publicidade
publicidade

Juíza espancada por promotor deve pedir medida protetiva contra agressor

A juíza Nemora de Lima Jansen, de 35 anos, deve pedir medida protetiva de no mínimo três metros de distância entre ela e o promotor Dioneles Leones Santana Filho, informou fonte próxima à ela. A magistrada foi vítima de espancamento, na madrugada de sexta-feira (24), enquanto curtia uma festa, ao lado do namorado, o advogado Leonardo Wishart, de 27 anos, no sul do estado.

A agressão ocorreu durante o Carnaporto, carnaval fora de época de Porto Seguro. Segundo a fonte, que não quis se identificar, Nemora estava no camarote da Arena Axé Moi quando foi abordada de forma agressiva pelo promotor da Vara Única Criminal de Porto Seguro, Dioneles Leones Santana Filho. Dioneles teria chegado por trás e deferido um golpe que atingiu a nuca da juíza. Segundo a mesma fonte, Nemora não soube informar se foi um murro ou um pontapé.

Com o impacto da pancada, ela caiu no chão e continou recebendo golpes no corpo. Leonardo Wishart tentou defender a namorada e acabou sendo agredido também. A fonte contou ainda que os dois já se conheciam. Dioneles foi promotor da Vara que Nemora atuou como juíza em Porto Seguro.

Após a agressão, Nemora registrou queixa na Delegacia de Proteção ao Turista de Porto Seguro (Deltur). O delegado titular, Ricardo Feitosa, não quis se pronunciar sobre o assunto. “Recebemos a orientação de que todas as informações fossem concentradas com a Ascom da Polícia Civil”, disse ao CORREIO.

No entanto, a assessoria da Polícia Civil também não se pronunciou, alegando que o inquérito de casos que envolvam juízes e promotores são encaminhados para o Tribunal de Justiça e para o Ministério Público.

A assessoria do Tribunal de Justiça afirmou que ainda está aguardado a chegada do inquérito policial. Ainda segundo a assessoria, a juíza está vindo para Salvador pedir o apoio da Guarda Militar. Até o momento da agressão, a juíza não havia solicitado escolta pessoal, porque nunca havia sentido necessidade, contou a fonte.

Nemora fez exame de corpo delito na sexta-feira. Ela contou ainda que, depois do ocorrido, o promotor chegou a ligar para a juíza reconhecendo o erro e pedindo para abafar o caso. Nemora estaria com a gravação em mãos e pretende encaminhá-la para o advogado.(correio)

*Com informações da repórter Priscila Borges


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21