banner
publicidade
publicidade

Mandela, o guerrilheiro que tornou-se símbolo da paz

Para o governo racista da África do Sul nos tempos do apartheid, Nelson Rolihlahla Mandela não passava de um terrorista. Para quase todo o restante do mundo, porém, sua luta pela liberdade o elevou ao status de herói.

Nascido em Transkei, na província do Cabo Oriental, em 18 de julho de 1918, Mandela ainda era um jovem estudante de Direito quando envolveu-se com a oposição ao apartheid. De ativista, sabotador e guerrilheiro, Mandela converteu-se em Prêmio Nobel da Paz e em um dos maiores estadistas do crepúsculo do século 20.

Em 1962, informações fornecidas pela Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA, por suas iniciais em inglês) às autoridades sul-africanas levaram à detenção de Mandela.

Primeiro, ele foi condenado a cinco anos de reclusão por viajar ilegalmente ao exterior. Meses depois, porém, Mandela acabou condenado à prisão perpétua pelo regime sul-africano por envolvimento em atos de sabotagem. A sentença máxima prevista para as acusações era a de morte por enforcamento.

Entretanto, a pena de prisão perpétua não seria cumprida na íntegra. A partir da década de 1980, a pressão internacional sobre o regime racista sul-africano se intensificou. O país tornou-se alvo de sanções econômicas a partir de 1986.

Eleito presidente da África do Sul em 1989, Frederik Willem de Klerk suspendeu a proscrição do Congresso Nacional Africano (CNA) e de outros grupos de oposição e anistiou os opositores do regime. Nelson Mandela, membro do CNA, foi libertado em 11 de fevereiro de 1990, após 27 anos de cadeia – entre 1964 e 1982, foi mantido na famosa prisão de Robben Island, perto da Cidade do Cabo.

Por seu papel de resistência na brutal repressão do sistema do apartheid, que segregava negros e brancos, Mandela recebeu o Nobel da Paz em 1993. A biografia disponível no site do Nobel lembra que Mandela defendeu a luta armada nos anos 1960, porém na prisão tornou-se o mais significativo líder negro sul-africano e “um potente símbolo da resistência, quando o movimento antiapartheid ganhava força”.

Em 1994, Madiba, o nome de clã de Mandela que os sul-africanos usam para citá-lo afetuosamente, foi eleito presidente da África do Sul, tornando-se chefe de um governo de unidade nacional também representado por grupos minoritários, inclusive o Partido Nacional do ex-presidente De Klerk.

No novo governo, o arcebispo Desmond Tutu, que já ganhara o Nobel da Paz em 1984, foi indicado para chefiar uma Comissão de Verdade e Reconciliação, histórica tentativa de lidar com as feridas deixadas na sociedade pelo apartheid, quando os negros eram separados, não podendo, por exemplo, sentar ao lado de um branco no ônibus ou nos mesmos bancos escolares que eles.

Além de expor a verdade sobre o período, a comissão anistiou os responsáveis pela violência durante o apartheid, com as lideranças preferindo buscar um país mais unido, evitando aprofundar as polarizações do passado.

Comentando o trabalho da comissão, Mandela pediu ao povo que “celebre e reforce o que fizemos como nação em um momento no qual deixamos para sempre para trás nosso terrível passado”. Mesmo após deixar o poder, Mandela manteve-se como uma voz poderosa no cenário internacional, sobretudo em questões relativas aos direitos humanos, e nos últimos anos era apontado como um símbolo da busca pela paz.

Exame.


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21