banner
publicidade
publicidade

MPT interdita fábrica da Malwee em Camacã-BA por falhas na segurança

MPT interdita fábrica da Malwee em Camacã-BA por falhas na segurança

O descumprimento de uma série de normas legais de segurança do trabalho fez com que o Ministério Público do Trabalho (MPT) interditasse na tarde dessa quinta-feira (28/05) máquinas e equipamentos na fábrica da Confecções Camacan Ltda., responsável pela fabricação de produtos Malwee, localizada na Avenida dos Pinheiros, no centro da cidade. Com a interdição, realizada através de notificação recomendatória logo após ação de fiscalização, as atividades na planta ficam suspensas, sem prejuízo para a remuneração dos cerca de 750 funcionários da empresa no município.

“Decidimos por expedir a notificação recomendando a imediata suspensão das atividades na fábrica porque contatamos na inspeção realizada nessa quinta um grande número de falhas graves no cumprimento de normas de saúde e segurança do trabalho dentro da unidade. Esses descumprimentos mantêm os funcionários em risco constante de acidentes, como de esmagamento e prensagem das mãos, cortes e lacerações dos dedos e inalação de substâncias cancerígenas”, explicou o procurador do trabalho Ilan Fonseca, que participou da inspeção ao lado de um perito e mais dois servidores do MPT.

O procurador informa que a Malwee já foi inspecionada quatro vezes pelo MPT e outra vez pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MPT). Em todas essas vezes, foram encontradas inúmeros irregularidades, mas a empresa, apesar de ter sido notificada, não se mobilizou para corrigi-las. Um inquérito civil apura estas e outras irregularidades, como a cronometragem do tempo de acesso aos sanitários, a recusa em receber atestados médicos, a cobrança excessiva de metas, a subnotificação dos acidentes de trabalho e diversos casos de doenças ocupacionais osteomusculares decorrentes de esforços repetitivos.

Agora, o procurador estuda a possibilidade de ingressar com ação civil pública na Justiça do Trabalho com pedido de indenização por danos morais coletivos. De 2009, quando o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Empresas de Produção Fabricação, Montagem e Acabamento de Calçados em Geral (Sintratec) encaminhou a primeira denúncia, o MPT abriu inquérito e tem acumulado informações de constantes desrespeitos à legislação trabalhista, à integridade física e psíquica de seus funcionários e às instituições que zelam pelo equilíbrio nas relações de trabalho. Além de questões relacionadas a meio ambiente de trabalho, surgiram fortes indícios de práticas ilegais como controle de tempo de permanência em sanitário, pressão excessiva por resultados, entre outros.


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21