banner
publicidade
publicidade

NOVO MOVIMENTO DE POLICIAIS MILITARES CRIA TENSÃO NO GOVERNO


Há pouco mais de dois anos, em 31 de janeiro de 2012, policiais militares anunciavam o início de mais uma greve, que durou 12 dias. Agora, seis associações que representam a categoria, entre elas a Associação de Policiais e Bombeiros e de Seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), que encabeçou o movimento de 2012, começam a se mobilizar para discutir as propostas do governo para a categoria.

Embora dirigentes das seis entidades descartem o indicativo de greve, sexta-feira, quando se reúnem em assembleia conjunta no Wet’n Wild (Paralela), a articulação preocupa o governo. Três dias antes da reunião, na segunda-feira à noite, o comandante-geral da PM, coronel Alfredo Castro, emitiu um comunicado em que diz ter tomado conhecimento “da existência de discursos proclamados isoladamente por um ou outro que parecem se interessar pela desestabilização do bom momento que vivemos atualmente na Polícia Militar da Bahia”. Segundo a nota, os discursos foram emitidos nas redes sociais.

A categoria, que reúne pelo menos 34 mil homens na ativa no estado, reivindica melhoria salarial, mudanças na política remunerativa, plano de carreira, acesso único ao quadro de oficiais, um Código de Ética, aposentadoria com 25 anos de serviço para a Polícia Feminina, aumento do efetivo, bacharelado em Direito para os oficiais, além de elevação de toda a tropa para o nível superior entre 2014 e 2018.

Segundo Castro, a situação está sendo discutida por um Grupo de Trabalho: “Associações representativas dos policiais e bombeiros militares, Comando, secretarias e órgãos do governo, conjuntamente, apresentaram propostas e sugestões para promover a modernização administrativa através da reforma da Lei de Organização Básica e do Estatuto da PM”, diz.

O governo tem até 180 dias antes do início do período eleitoral para remeter ao Legislativo qualquer projeto que provoque alterações salariais de servidores. Para as associações, o prazo vence em 8 de abril. Para o comando, dia 10. “O nosso pensamento é fazer a assembleia e deixar pré-agendado um outro encontro para sair com indicativo de paralisação, caso o governo não atenda às solicitações”, disse o presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar da Bahia (APPM-BA), Agnaldo Pinto. (Correio)


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21