banner
publicidade
publicidade

PF CONCLUI QUE GEDDEL E CUNHA INTERMEDIARAM MAIS DE R$ 1,2 BILHÃO

O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) teriam intermediado pelo menos R$ 1,2 bilhão em operações financeiras de empresas privadas junto à CEF (Caixa Econômica Federal). A informação está em um pedido de busca e apreensão feito pela Polícia Federal em novembro de 2016 ao STF (Supremo Tribunal Federal). Geddel foi alvo da Operação Cui Bono?, que apura um esquema de corrupção que facilitava a concessão de crédito da Caixa para empresas privadas e prefeituras. Segundo o MPF, Geddel e Cunha participavam do esquema.
Em novembro de 2016, a PF enviou um pedido de busca e apreensão ao ministro do STF Teori Zavascki, responsável pela Operação Lava Jato na Suprema Corte. O pedido foi enviado ao STF porque, à época, Geddel tinha foro privilegiado por ser ministro de Estado. Com a saída de Geddel do governo, no dia 25 de novembro, o caso foi então encaminhado à Justiça Federal do Distrito Federal.Do total de R$ 1,230 bilhão que, segundo a PF, foi intermediado por Geddel e Cunha, R$ 300 milhões teriam sido liberados para a concessionária de rodovias BRVias; R$ 50 milhões para a Oeste-Sul Empreendimentos Imobiliários, R$ 350 milhões para empresa do setor de frigoríficos Marfrig, R$ 500 milhões para a J&F Participações S.A e R$ 30 milhões para a empresa Big Frango.
As investigações sobre a atuação de Geddel em favor de empresas começaram a partir da apreensão de um telefone celular de Cunha durante a Operação Catilinárias, em dezembro de 2015. A PF encontrou mensagens de texto no celular do ex-presidente da Câmara referentes ao período em que Geddel foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da CEF, entre 2011 e 2013.No pedido de busca e apreensão, a PF enumera o que classifica como intervenções de Cunha e Geddel em favor de diversas empresas. As intervenções, segundo a PF, ficaram evidentes a partir da análise de mensagens de texto trocadas entre Geddel, Cunha, o ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias Fábio Cleto.
De acordo com o relatório da PF, Cunha, usando o codinome “Lopes”, manda uma mensagem no dia 24 de maio de 2012 para Fábio Cleto, que usava o codinome “Gordon Gekko”, para checar se a operação pleiteada pela empresa havia sido concretizada. “Ve para mim se ta pegando algo na br vias la ainda que o maluco ta falando (sic)”, diz a mensagem. Gordon Gekko é o nome do personagem corrupto interpretado por Michael Douglas em dois filmes dirigidos por Oliver Stone e que abordam o sistema financeiro: “Wall Street – Poder e Cobiça”, de 1987 (que rendeu o Oscar a Douglas), e “Wall Street – O Poder Nunca Dorme”, de 2010.


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21