banner
publicidade
publicidade

Tirone critica pressão e pede apoio da torcida

“O time precisa ser empurrado. Se o carro está na subida, o motor não é potente e você não sabe pilotar, não vai subir. O Palmeiras precisa ser apoiado, ninguém quer perder, estamos sofrendo um problema pessoal, todos estão jogando pela carreira”, afirmou o dirigente, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Tirone se mostrou preocupado com a atitude de alguns torcedores que entraram na concentração do time e hotel no Recife e fizeram cobranças diretamente ao técnico Gilson Kleina e ao gerente futebol César Sampaio. “Precisamos fazer um apelo à torcida, esse tipo de revolta não vai construir nada”, ressaltou o presidente.

“Temos condições matemáticas, mas revólver na cabeça não vai funcionar. Precisamos de tranquilidade e apoio. Sei que a torcida está chateada, se sacrifica, vai de ônibus. Fizemos partidas ruins contra o São Paulo e Coritiba, mas temos oito jogos pela frente. Depende de nós, de ter serenidade, responsabilidade e garra para seguir em frente”, pregou Tirone.

O presidente destacou ainda o empenho do time na derrota por 1 a 0 para o Náutico, no domingo. “Time não foi jogar contra o Náutico para perder, poderíamos ter vencido por 3 a 1. A bola não entrou. O time correu, se entregou e faltou sorte. Nós conquistamos um título [Copa do Brasil], que já foi esquecido. Somos um clube de 100 anos, que já passou por outros problemas. Não peço apoio a mim, mas ao time”.

Por fim, Tirone se defendeu das críticas por não ter acompanhado a delegação palmeirense na viagem até Recife. “Eu, às vezes, saio antes para não dar trabalho à segurança, sei que a torcida está revoltada. No jogo contra o Náutico eu não fui, pois o [vice de futebol] Roberto Frizzo já ia. Para que dar trabalho à segurança?”, declarou.


Comentários



radio
radio destaque
Fale conosco
TEIXEIRA VERDADE
CNPJ:14.898.996/001-09
E-mail - teixeiraverdade@gmail.com
Tel: 73 8824-2333 / 9126-9868 PLUG21